20 January 2008

NÃO MALDIZ, NÃO BENDIZ


Não gosto de ser poeta;
Queria ser como a mulher negra que vi ontem lavando a calçada
Ela segurava fortemente a vassoura, com ânimo escravo
E quando a chuva veio,
ela resmungou...
"mas que merda de chuva!",
naquela estupefata reação de rejeitar o complemento
A minha poesia não maldiz e nem bendiz a chuva ou o trabalho,
Não bendiz, não maldiz,
É só o complemento da humanidade.

3 comments:

Cesar Kadrashi said...

adorei o novo visual!

Andresa said...

Você é também a mulher negra...e a sua poesia só bendiz, bendiz e bendiz.
Continue a bendizer palavras que nos fazem repensar a vida...
Saudades

ZAZÁ LEE said...

acredita que eu disse isto ontem?
Adorei Cecília !