31 August 2007

POEMA DE SER IRÔNICA COMO A PRÓPRIA VIDA


Talvez eu estivesse com sono
Ou nem com sono estivesse
Mas senti sono
Quando me falaram da vida
Em toda a sua importância
Morro de sono quando me falam da vida
E da alegria que preciso ostentar
Não preciso da sua alegria
Preciso do meu sono
Que me dá alegria
Hoje de manhã fui mais simpática do que devia
No meio da tarde já estava esgotada de tanto dar risada
À hora em que me deito é que me sinto viva
Todos os meus defeitos eu abro no zíper da minha compaixão por mim
Amo-me
E ao mesmo tempo,
Páro para pensar que não me amo mais como eu devia
Adulterei-me
E não gostei do que fiz de adulterado
Falei coisas que meu coração sentia
E o coração agora me dói, embora
Não doa mais se me maltrato
Tomo vinho
E não desmaio,
Desperto-me
Acho todas as pessoas ridículas
E acho uma infantilidade ter que me fazer às claras
Para que me entendam
E para dizer o que digo
Quando eu era jovem
Eu era mais verde no fora,
E mais azul por mim, cá dentro
Hoje sou casca de árvore,
Dura, dura
E aprendi o tempo de mascarar
E o tempo de olhar de cima abaixo
Sei quando mordo
E quando tiro os dentes
Gosto de amaciar e gosto de endurecer
Enquanto canto com voz de ninar santo
Hoje,
Nesse silêncio de quarto de convento
Nessa solidão emancipada em que vivo,
Sinto-me tão feliz por ser quem sou
Por não participar internamente dessa dança de roda dos endoidecidos
Só finjo que participo
Na verdade, nem dou a mão
Eu relo a mão
E saio de fininho
Tomo uma taça de vinho
E sorrio

22 August 2007

POEMA DE QUEM NÃO TEM NADA A DIZER


Não vou escrever sobre nada
O tudo está em mim
E eu me calo
Canta um galo lá fora,
E eu me calo
Venta,
Eu me calo
Um vizinho assobia uma canção em espanhol
Triste e mal cantada
Me calo mais
Não posso desejar a ninguém esse
Interno diálogo que eu faço
Comigo mesma
Quando tudo
Quer me falar aqui de fora
Sei que me calo
E devo me calar
Porque hoje,
À hora de pensar em mais nada
Penso no tudo que estará
Partindo
Eu choro,
Não tendo mais o que dizer,
Me calo.

21 August 2007

POEMA DO DESTINO


Permita-me chamar-lhe de calor
Calor é bom
Quero também chamar-lhe de destino
Destino é para quem sabe
Para onde está indo
Mas o meu destino
É coisa de moleque
Nem bem está aqui
Já está fugindo.

POEMA DO MEDO DO MEDO


Vou derrubar a noite
Com um gesto teatral
Tenho medo dessa noite
Tenho medo de ficar sozinha
Sinto que sou uma aranha que teceu a teia
E está pousada sobre o que construiu
Quando amanhece não sinto mais frio
Sinto calma
É como se o dia fosse uma aspirina
Que eu tomo para afastar a dor
Às vezes eu me descaso
No descaso
Às vezes me caso
No acaso
A noite está rindo de mim
Tudo o que mete medo ri do seu poder
Eu choro,
Triste, triste;
Se medo fosse bom
E eu, plena de medo
Era a mais bondosa criatura
Tinha medo nas pernas
E as pernas seriam boas
Tinha medo no olhar
E o meu olhar seria bento
Tinha medo nas palavras
E as palavras seriam mais do que benfazejas
Mas o medo faz isso em mim
Faz-me ter medo do medo.



19 August 2007

CHEIRO DO MUNDO


Viajar para as estrelas
Essa é a viagem
Empreender a única coisa que o sonho suporta
E alenta;
O silêncio dos astros
- Só o pulsar do universo que se expande -
As magnitudes várias
As cores que matizam-se numa só
A virtuose do mundo
Que não se explica
Nem resolve-se,
Sabe-se;
É um saber tão pouco,
Tão passageiro
Tão sem curiosidade
Que apenas tombo minha cabeça
E respiro, afoita,
A décima parte
Do que conheço
E aquilo que não sei;
- Escuro imantado de segredo -,
Este, ainda assim, exala.




POEMA DA DOR SEM CURA


Graças a Deus que tenho devaneios
Se assim não fosse
De que me adiantaria ter que olhar esse espelho manchado
E me ver manchada através do aço?
Costumo me transformar em outros seres
Gosto de me sentir um tomate dentro da gaveta
A geladeira me fechando e me abrindo a qualquer tempo
Também quero me transformar em você
Que eu não suporto
Só para sentir em mim
Experimentar em mim
O seu desamor de mim, partindo de você
E mim, plenificado

Essa acidez que tomba,
Esse cinismo que mata
Gosto de ver você,
Como um tomate dentro gaveta
E eu fechando-lhe a porta à cara
Nunca acreditei em maldade;
Acredito em dor sem cura.


REFLEXÃO SOBRE A VIAGEM AO MEDO


Para voltar à Terra
Precisei dar duas voltas e meia
Num lugar escuro e assombrado
Não gostei do que vi
Gostei de ter voltado.
O melhor de voltar
É pensar que nunca deveria ter-se ido.


16 August 2007

POESIA X CORDEIRÓPOLIS


Acordo com essa poesia já falando comigo
O monólogo que ela me trava
Me descontenta um pouco
Está tão cedo, as pessoas dormem
Ela me levanta a fronte
As interrogativas,
Os preços módicos que pago por me sentar aqui
A cabeça rodando e a voz da poesia, falando,
Falando;
Ao meio dia já estarei tonta de tanta abstração
Sossega, poesia;
Sou apenas uma mulher ainda de pijamas
Ainda cansada,
Com um relógio na mão
Um plano na cabeça
E à espera da hora de partir daqui
Sossega, poesia,
Deixa-me por um momento
Como se eu fora aquela mulher lavadeira de Cordeirópolis
Que só tem um tanque
E o dia a dependurar
Boa fortuna seria ser uma lavadeira de Cordeirópolis;
Mansa, como os cordeiros deveriam ser;
Protetora, como eu desejaria que os cordeiros fossem
Limitada, como os cordeiros pensam que são.



POEMA SIRI


Vivo como o catadores de siri mole
Manhã, bem cedo, para mim, é dia antigo
E à noite é onde enfio
Na confusão de lama e rama dentro do mangue
Todas as expectativas de arrancar
Se não o sonho,
A minha subsistência
Que me vem na forma de poema
Lúdico e leve;
- Objeto que desejo
E que me sustenta em alma -
Ás vezes, em siri mole
Que é o poema transverso;
Feio, e que me fere.
Qual é a visão do poeta para o mangue?
Lama, rama,
O prazer acabado da conquista
A continuação de busca,
Escuro a escarafunchar um pedaço pulsante de vida;
Quem não quiser se conhecer
Que se afunde...

15 August 2007

LINHA DE ESPUMA


Um jato cruza o céu
No rastro deixa uma linha descendente de espuma
Olho para a linha que ficou, ali, solitária,
Atônita, descompletada,
Como uma cauda sem cabeça
Visto que o jato já se foi
E provavelmente já tenha há muito,
Pousado na Tailândia
A linha ainda continua, viva, frente à minha janela
Frente à minha vida
Frente aos meus questionamentos
Que nunca se dissipam;
Presa pelo frio do ar,
Imóvel, pela surpresa
De ser deixada pra trás
Linha, linha, que sentido
Havia para te deixarem
Sozinha e inútil, ali?
Vida, vida, que sentido
Havia para me deixarem aqui?





14 August 2007

HÁ NÓS


Eu lhe diria;
“Dei tudo de mim”
Ele me diria,
“Dei tudo de mim”
Entretanto,
Somos vozes confessando
Um à direita
O outro à esquerda
O que não pudemos fazer
Nem por nós dois,
Nem pelo tudo
Que haveríamos de nos dar;
O tudo é uma história
Que no final,
Não há ponto final;
Em nós, contudo,
Há essa dor de ponto
Há esse grito de final,
Há nós,
E há final.
Todo final é trágico
Porque traz em si
A perplexidade do começo.


O MENOR POEMA


Já sabendo que minhas considerações são poucas
Venho escrever o menor poema do mundo
O menor poema do mundo
Não será aquele que contenha apenas uma sílaba
Como " Vá!"
Som diminuto, mas que resume um tudo,
Como um vaso oval, suas flores,
A água ovalada no cristal,
As hastes, hirtas,
A pétalas e os pistilos
Ou terá o menor poema apenas um "O"
De denominar a especificidade de alguma razão
Que nem necessite ser dita
Pois razão é razão;
O meu menor poema
Aquele que já terei escrito
Aquele que guarda em si o que já pensei
E o que já imaginei
Resulta num só um sentimento
E numa só ternura;
- Nuvem sozinha em meio a um céu de frio -
Meu menor poema é,
" Sinto".


13 August 2007

POEMA DA FALTA DE FÉ


Na falta de fé,
Rezo uma missa em mim
Desfio um ofertório em latim
Comprido e denso
Todas as conjugações em latim terminam em "um"?
Um lamento aqui, um desapontamento lá;
Fiz os sacramentos da invencionice
E paramentei-me das poucas hóstias que eu tinha disponíveis
Volvi-me à direita
Quero avisar o meu espírito
Com letras garrafais
Que daqui pra frente é só destino
E que seja correto,
Sob a régua,
Que seja santo e bom,
Feito água benta;
Que seja batizado
Nas águas de um renascimento que ainda não conheço
Mas deve existir um renascimento
Deve existir a vida após a dor
Pós-dor é pré-contentamento.



CACHO DE BANANAS




Por que a bananeira deu somente bananas
E não deu o sal,
Não deu orquídeas roxas que o meu amor me deu,
O mel exato que a abelha desprezou,
O rio por detrás do meu passado,
A luz azul que à noite é meu quarto,
O gavião de penas lisas que mora dentro do elevador?
As bananas que eu queria eram o pretexto do acaso
Foram só bananas,
E eu queria um cacho
De luz, de sal, do mel
Do roxo das orquídeas,
Da falta do meu mal.


PA TA TI VA

Voa, patativa, voa
Vá em busca daquilo que já vi;
Tenho uma breve lembrança do que eu quero
E do que não quero mais,
Já me esqueci.

(Já lhe falei que a poesia para mim é passarinho?)

CAMUFLAGEM


Ensina-me a ser sozinha, e serei sozinha
Ensina-me a esconder-me por trás do véu
E a falar no artifício do raso
Ensina-me a usar roupas que se assemelhem
E se misturem à paisagem
De modo que eu me disfarce de folhagem
E não apareça
E não cresça
E não me espalhe
Ensina-me a ser ordinária
Tenho minhas convicções fechadas
Mas para abri-las, é necessário
Fechar-me
Ensina-me a fechar a tranca
Para tudo;
E para mim, a chave.


12 August 2007

POEMA DA IMPOSSIBILIDADE DESTE MUNDO


Vamos falar de coisas imortais
O avesso do avesso
O olho de Deus por sobre o mundo
Escaneando tudo
E me acha aqui,
Sozinha,
A desfrutar desse ar da noite,
Ar de todos os tempos,
Também imortal;
Vamos falar da imortalidade dos desejos humanos
Que é só uma coisa;
Ficar.
Tornamos impossibilidade um outro mundo
Porque esse mundo em que vivemos
Nos torna imortalmente impossíveis.


SE EU FOSSE MATILDE


Se eu me chamasse Matilde
Certamente não teria esse olhar que tenho
A rebeldia dentro da ironia,
Nem quando calada, nem mais escondida...
Não saberia andar como eu ando
Os pés indo prá frente, o corpo malemolente
O fogo de busca,
Os cabelos entre meus dedos
As nuvens que me acompanham;
Se eu fosse Matilde
E soubesse cozinhar galinha ao molho pardo
Que tivesse um coque, preso
Um avental onde eu enxugasse minhas mãos
Depois que me fizessem amor,
Que fosse virtuosa e nervosa
Se eu fosse Matilde
E tivesse a tristeza do dia para enfrentar,
Sem saber o que é tristeza, o que é dia,
Eu seria a mais feliz das criaturas
Seria mais uma
Matilde, que nem sabe porque vive
E nem porque morrerá
Que comunga a hóstia daquilo que é bem feito no domingo
Que vive cruzando a fronteira da obrigação
Alvoroçada, para lá e para cá,
Sem que a poesia lhe assuste ou lhe visite;
Sem a primária angústia em que vivo
Sem as interrogativas de se desejar uma paixão
E apaixonar-se pelo novo, toda hora
Com os lábios, secos, descorados
E sem o perfume insidioso do meu instinto
Frequente e nativo, que eu ainda cultivo...
Ah, se eu pudesse lhe ser, Matilde
Eu me simplificaria, tomando a forma do seu ser;
No entanto,
Eu sei de tudo que toca dentro de mim
Dos assobios de ais
Até do ronco da motocicleta que me disciplina
Se eu lhe fosse, Matilde,
Ainda por um único dia,
Dentro da sua estreiteza e firmeza,
Eu nem me morria, nem me matava;
Eu só vivia;
Se eu lhe pudesse ser, eu seria mais bela
Porque a beleza não está no que é belo
Nem no que para mim é previsível;
A beleza está para ser descoberta.

POEMA DO AMOR SIMPLES



Queria ter um amor simples
Que me levasse até uma beira de rio
E que ficássemos sentados, juntos
Olhando a água que faz círculos
Naquele silêncio que diz o que não necessita ser dito
De vez em quando,
No momento único
Quando um passarinho cruzasse o céu,
Numa parábola de sustentação de asas,
Ele me diria,
" Olha lá o passarinho!"
E eu lhe sorriria, conivente,
Por saber que ele também ama um passarinho
Compreende-lhe a existência
Sabe-lhe seu vôo,
E a sua destinação que nem nós sabemos
Voltaríamos novamente ao silêncio que não nos mata,
Mas nos alimenta,
Como o conhecimento das enciclopédias fechadas
E eu me saberia amada
Sem que muitas palavras precisassem ser pronunciadas
Amor para mim é isso;
Silêncio, o comprometimento mudo e estático,
E às vezes,
Um passarinho que passa.


POEMA DE DOMINGO




O pé de cachimbo do domingo já começou
Estou plena de distenções
Doem-me as pernas
E dói-me o sentimento do sábado que já se foi
Para viver esse domingo insalubre
Convoco a mocidade alegre do meu passado
Para abrir o dia,
Manter o dia
E passar o dia ao meu lado
Caio por sobre a cama e divago
Imagino o que seria esse domingo
Na Polinésia Francesa nesse momento
O que a Polinésia Francesa sonha num domingo?
Sonharia com a visão dessa minha janela
Um parque a céu aberto, um sol ardendo
Um vento que bate, desobediente,
Um quarto aceso, uma promessa,
Um desejo ingênuo de ir para o estrangeiro...
Domingo na Polinésia é mais um dia de domingo
Aqui, onde estou, é pé de cachimbo
Nem tão bom, nem tão ínfimo
É só domingo;
Se Deus fosse imaginativo, amanheceria domingo
Com bandeirinhas pintadas cruzando o céu
Homenageando todas as constelações
Eu elegeria a bandeirinha mais singela
A mais tímida, aquela que ninguém vê
E lha ofereceria,
Para que você enfeitasse seu terno branco de domingo
Com minha lembrança e o meu cuidado.
Domingo precisa ser dia de festa,
Em mim, no caos,
Na escuridão das minas,
No mais fundo do mar,
No mundo em que você vive,
Há que ter festa;
Há de ser festa também na Polinésia.





11 August 2007

MEIO DIA


Queria lhe dizer que hoje,
Depois do meio dia,
Houve um silêncio de debaixo da terra;
Olhei no chão por onde eu pisava
As formigas estavam imóveis
Os buracos suspiravam de pena enquanto eu passava
Aqui, dentro de mim,
Por tudo o que vivi,
Ficou adjuntado
Queria lhe dizer
Anoiteceu, faz frio,
Os ventos resolveram retornar,
Tudo aqui é meio tristeza
E meio alegria ;
Queria lhe dizer,
Aqui dentro de mim,

Ainda é meio dia


08 August 2007

NADA


Tenho gostado de fechar meus olhos
Ficar na escuridão;
Retirar da escuridão a fina flor do abstrato
O ilusionismo do nada que tudo sabe de nada
Que é o apagar das cores que imprimo
E que os meus olhos abertos, obedientes, filtram
A escuridão pode ser mais do que fidelíssima
Pode ser também a guardiã dos impulsos
E a mãe da minha cautela diante da vida
Pessoas que conheço aconselham-me de tempo em tempo
Dirigem-me como se dirigissem um balão,

Às tontas, ao vento;
Indagam-me do meu sono, das maçãs redondas que comi
Do leite puro que haveria de tomar antes disso

E sempre depois daquilo,
Da festa de aniversário que terei que suportar;
Tenho sorrido simpaticamente de volta às caras mais compreensivas

Tenho tentado ser compreensiva no que me é permitido
Tenho agradecido com reverências formais esses conselhos inúteis,

Tenho me tornado dócil, assustadoramente convidativa
Implacavelmente macia, dirigível,
Um leque, a quem possam abanar
Mas tenho mandado, intimamente

Tanto as pessoas,
Como seus conselhos comerciais
Ao fundo do fundo do inferno
Se houver inferno no fundo,
Embora, muita vez não possa demonstrá-lo,

Tenho que acatar de alguma forma o justo
Que chamam de amor que é o atento zêlo;
As pessoas que conheço são mais sensatas do que eu

Mais sábias do que eu,
Mais articuladas do que eu;
Sabem se livrar de tudo
E eu, que não me livro de nada?
Tudo me dói e tudo me é carga

Neste momento, de uma solidão aliançada
De uma solidão que eu atraí à forças ocultas
Insensatas,
Fecho meus olhos devagar,
Gosto do que vejo
Gosto do nada;
Ah, se o mundo pudesse ser nada
Se eu pudesse ser nada
A infelicidade que sinto, seria nada
Nem o nada, nada.


POEMA DA MESMICE DE ONTEM


Nas mesmas mesmices de ontem,
Encontro-me hoje
Juro que não respirei mais profundo
Do que respiraria
Na verdade, nem me mexi de medo
De apatia,
De desespero
Porque eu queria
Que alguma coisa desabasse por sobre mim
Podia ser um armário
O armário, esse coitado,
Está ainda no canto da sala, branco de susto
E com a boca escancarada;
Desconfiado
Que ninguém, nem mesmo eu
O tiraria do lugar
Pudesse uma chuva cair agora
Eu me sentaria à varanda, desconsolada e mórbida
E lhe diria,
Oh, chuva dos meus tempos
Chove-me mais,
Chove-me tudo o que pudesse
E o que soubesse;
No entanto, aqui onde estou
Tem céu azul e tédio demais.

07 August 2007

DEDICADO A QUEM NÃO MORRERÁ


Diga-me que quando você morrer,
E duvido que morrerá,
Que levará consigo um dos meus poemas
Que estará rezando um dos meus poemas como se rezasse
O credo para quem crê em mim
Para livrar sua alma de pecador
Que pecou comigo
E de arrependido de alma num sufrágio

Diga-me que um poema meu lhe libertará dos males
Adquiridos nesta passagem absurda dos seres
E que lhe lavará as vestes
De um branco puríssimo que encantará
Espírito por espírito
Lá onde eles moram
Na cadência dos meus versos
Que não rimam
E nem têm sentido
Diga-me que me levará consigo,
Para onde você for
Para o azul dos ares
Para a poeirinha que voa
E que ninguém vê
Posto que é o tempo
Passado entre nós na terra
E ainda viva, entre nós, no ar
Mas diga-me que minha poesia
É a sua esperança e a sua saudade
A sua dor, como é a minha dor
E a sua rendição de alma
Como a minha própria alma;
De consolo e de renovação
De pureza e de leveza
Diga-me que a minha poesia foi o que lhe manteve
Firme nas enrolações das crises
E frágil nos momentos da minha mais pura ternura
Pois é isso que lhe dou;
Pra sempre
A minha poesia,
O meu sentido de explicação do mundo
E o meu olhar, farto, alentado,
Que vai embutido dentro do meu verso
O olhar de quem sabe que tudo é vão
Mas não é vão o que lhe leva longe
Que seja o meu verso o que lhe levará
Essa poesia ainda ingênua,
Ainda desejosa de ter asas
Para que a poesia lhe seja leve,
Para que eu ainda, lhe seja leve,
E lhe deixe voar.


TRISTEZA FRIA


É uma tristeza fria
Uma tristeza comum,
Portanto, fria;
Jamais poderei explicar-lhe a minha tristeza
Descrevê-la, contá-la
Em suas miudezas
Nas suas cutucações ocultas
Nos seus minúsculos e invisíveis alfinetes
Nas misérias da minha alma
Que é uma alma menor, falha
Mal formada;
Jamais poderei mostrar-lhe a minha tristeza verdadeira
Porque me envergonha
Toda tristeza é impossivel de descrição
Eu a sei, de mim
De como me fere a transcrição
E a oposição de espelhos
Ao trazer de volta,
Algum momento em que fui mais feliz
Um pedaço de segundo que fosse,
Como no dia dos meus anos
Num tempo atrás
Eu era a própria personificação de uma alegria
Tonta,
Benevolente comigo mesma
Irresponsavelmente livre,
Naquela amplidão de vida que ainda havia de acontecer
E é essa tristeza limitada e solitária
Contudente e que me lateja
As têmporas, a jugular
Essa infeliz amarra,
É o tempo, impetuoso e vingativo,
Que não pára.



05 August 2007

POEMA DO PÓ DA VIDA


Venho desculpar-me das minhas ações
Tantas ações que são minhas, animais
Outras, bissextas quando são sublimes
Mas preciso da tolerância de todas as pessoas
Dos que me compreendem, e
Ainda assim, amam-me
Amam-me pouco, bem sei
Não posso exigir que me amem demais
Há muita coisa no mundo para ser amada
Entre essas coisas,
É preciso amar o par, o filho, o gato,
A flor seca que ficou dentro do livro,
O mar pintado, o encantamento do circo;
E se me amam, um pouco que seja
Já me vale
Desculpo-me agora diante daqueles
Que não me souberam amar
Posto que eu não os soube amar.
Perdão se não amo de fato
Tenho aprendido coisas durante a minha existência
Coisas nem tão valiosas assim,
Como calcular a distância do trem que parte
Dentro da hora da sua partida e chegada
Sem que isso modifique a humanidade
Ou me modifique interiormente
Tenho compreendido o tempo que a abelha passa
Entre a flor e entre o trabalho de processar a flor
Sem que a flor deixe de ser flor
E abelha nem sequer note se há beleza na flor
Mas não tenho aprendido a amar a quem não preciso amar
Tolerem-me, todos,
Se não fui e ainda sou
Este ser que olha tudo e não remenda
Se a compaixão que demonstro é a auto-compaixão
Que só tem resmungos para si própria
Onde o vértice do meu mundo sou eu mesma
Que só conhece o absoluto dentro do eu
Perdôo-me também, dentro do meu abuso;
Busco uma humildade que até então não conhecia
Uma inferioridade que necessite ser nobre
Um abaixar de olhos, submisso
E digo para mim mesma;
Eu sou o pó da vida.



04 August 2007

POEMA DE QUEM ACORDOU AGORA


Enquanto eu puder ouvir
La vie en rose
Me lembrarei de você
Você é a língua mais francesa do ocidente,
Estrangeira e inacessível,
Soberba,
Distante e ainda assim,
Coisa de seduzir,
De me levar para onde já estive
E onde já gostei de estar

Hoje, dentro das milhas da lonjura,
A sua graça me basta
O seu sorriso me basta
O seu cuidado me basta
La vie en rose me traz a recordação mais serena
De nós dois
Porque a sua recordação de hoje é que me é serenada
Uma calma,
Um discutir de passarinhos,
Só arrufos,
E um vento que passa.


BRINCAR DE SER


Vou debruçar-me à janela da minha calma
E observar os ventos que mudaram a direção da cidade
Onde havia um poste, essa noite mudaram-lhe o lugar
Até agora o poste está andando às tontas,
Atrás do seu destino
Eu também mudei
O que era permanente
Ficou móvel
Estou aqui agora
Amanhã estarei acolá
Dane-se a vida
Com suas coisinhas de procurar sentido
Dane-se o princípio da vida
Que ninguém descobre qual é
Dane-se a gravidade,
Que me me prende ao solo
E que eu ignoro
Dane-se o tratado de Tordesilhas
Que dividiu o que não se podia contentar
Dane-se o fisco
Que me fisga, e eu morro;
Dane-se eu também
Que já me fui, me vou
Me volto
Me troco de lugar
Agora vou querer ser você
Você e suas intenções mais nobres
A sua nobreza me assusta
- Nobreza é o mais indigno dos atos -
E porque me assusta,
Vou querer provar e ver como é ser nobre
- Ser nobre é a coisa mais doida que quero fazer -
Roubo-lhe a sua nobreza
Para amanhã de manhã despir-me dela
Só pra brincar de ser-não-ser
Ir-voltar
Falar-calar
E observar a cidade
Com os olhos de você no hoje
E os olhos de alguém no dia que ainda vem
Bom mesmo seria brincar de peteca
Na falta de peteca, quero brincar de ser.




FLOR DE VOCÊ


Amor da minha vida,
Hoje comecei a afastar-me
Dois passos para trás
Três passos
Uma dúzia de passos eu já dei
Afastando-me da sua invencionice de amor colado
Dos nós de marinheiro de seis voltas
Que aprendemos a dar em nós
Ao redor do nosso pescoço
E ao redor dos nós de nossos dedos
Sinto que já tenho as minhas mãos pequenas, livres
Gosto das minhas mãos pequenas e gosto delas, livres
Gosto do meu pescoço nu e rotatório
Que tanto leva minha cabeça para a cima ou para o sul
Sinto que a cola de colar amor parado
Venceu-se em prazo
Respiro esse ar frio, e dou dois passos
Agora para frente, amor da minha vida,
Afasto-lhe, afasto-lhe...

(Vá morar naquele lugar onde não tem plantação de mim
Onde você plantou Ceci, só deu flor de você, você, você)

PITANGUEIRA, PITANGUEIRA...


Pé de pitanga dá pitanga
Pé de tristeza dá dor.


02 August 2007

POEMA EM BUSCA DE UM ESPÍRITO


Diga-me para onde eu fui
Que lhe direi onde lhe acharei
No buraco do sono
Ou na ponta do bico das araras
Diga-me para onde eu fui
E onde me encontro agora,
E traga-me de volta;
Só o seu sossego me traria para casa
O seu encantar insólito de serpentes,
A sua desafinada fábula;
Não é bom onde estou
Aqui é escuro e tem cheiro de morte
Morte de tudo
O lilás envaidecido que havia
Virou um sentimento de saudade
E o celofane que envolvia a haste da rosa
Mergulhou na pia batismal do desagrado
Virei uma imagem barroca
E uma pedra de sal
Mas diga-me que voltarei
E é certo que voltarei
Ao meu lugar
Onde a alma é alma
Alma fora do mundo ainda é alma
E onde meu espírito
Se há espírito,
Se juntar-se ao seu,
Volta a ter calma.