16 August 2007

POEMA SIRI


Vivo como o catadores de siri mole
Manhã, bem cedo, para mim, é dia antigo
E à noite é onde enfio
Na confusão de lama e rama dentro do mangue
Todas as expectativas de arrancar
Se não o sonho,
A minha subsistência
Que me vem na forma de poema
Lúdico e leve;
- Objeto que desejo
E que me sustenta em alma -
Ás vezes, em siri mole
Que é o poema transverso;
Feio, e que me fere.
Qual é a visão do poeta para o mangue?
Lama, rama,
O prazer acabado da conquista
A continuação de busca,
Escuro a escarafunchar um pedaço pulsante de vida;
Quem não quiser se conhecer
Que se afunde...

2 comments:

Zazá Lee said...

Ceci...
Que frase mais inspiradora vc teve para finalizar o poema...
Claro que vou usá-la, se vc permitir.
Com crédito, claro!

Sara said...

o poema é muito bonito, mas a foto acima é de um caranguejo...