06 October 2008

COLÓQUIO


Não seja demasiadamente rude consigo mesmo
porém, não seja pueril a ponto de se achar
lambendo, tolo, as suas próprias feridas

Fique no meio termo das ciladas
Porquê não seria justo que você fosse
o mais cruel feitor de você mesmo

já que não possui o julgamento conciso
do que é certo e do que é torto

Tampouco seria devido achar que a vida lhe foi ingrata;
ingratos são nossos atos perante o que vida nos criou

Seja para si mesmo o ladrão que lhe espreita
para que não haja muita tolerância
nem confiança nas suas ações

E seja também a mão caridosa que lhe estende um benefício
para que você se lembre
que sempre precisará sobreviver à custa da graça dos outros
e da benevolência para consigo mesmo nos seus equívocos
Seja então para si mesmo o que a justiça humana inspira;
Para o acerto, a neutralidade,
para a imperfeição, a culpa.

As virtudes quando não nos penalizam, nos confortam
E as imperfeições nos recuperam
Seja para você mesmo o céu e o inferno
E se houver de sua parte alguma dúvida,
evitando as extremidades,
por certo achará o bom senso pelo meio.


2 comments:

Anonymous said...

Que saudades!
Tá difícil né Cecília....

Zazá Lee

PÉ DE PITANGA said...

OI Zá, que bom que voltou!!! Saudades aqui também... Ja estou planejando um churrasco para que vcs venham nos ver!
Beijos e beijos