18 August 2010

FOLHA DE JORNAL




Temos fibras duras
e sentimento anão.
Somos pedra e somos pena,
e somos bem menos do que julgamos ser.
Pena que eu não tenha visto a folha de jornal
voando acerca da tempestade.
Ela estava livre 
e eu ocupada
contando daquilo que o jornal falava.

4 comments:

zazá lee said...

Legal este poema...
Também vai para Espelho Sem Aço.
Olha meu blog, please.

zazá lee said...

Gostei.
Bjs

Anonymous said...

Sucesso para a Cecília Pitanga.
Sementes,folhas,flores,cascas e pitangas for ever.Sucesso Pré-Cambriano e Literário.
Abraço,
Célia Contemporânea.

André said...

Texto excelente, querida Cecília. Um paralelo sem piedade entre o concreto e passageiro, através do irracional. E portanto, lógico. Muito lógico.

Rendo-me sempre à tua bela poesia, amiga. Obrigado pelos comentários a meus modestos textos. Sei da tua inapetência atual, mas sinto saudades de novos textos teus, das tuas visitas...

Um grande abraço, meu carinho.

André