26 December 2010

CANÇÃO DO DESGOSTO


Não era um pássaro;
apenas um desejo de voar
e na hora do vôo,
amargou-se.
Vinha azul e insone,
como aquele amor
que se acalanta,
e que  num átimo,
arrefece e
de desgosto,
sofre a súbita morte.

3 comments:

André said...

Bom dia, Cecília,

Menor o desgosto quando se não é pássaro, porém, apenas um desejo de voar. Lindos teus versos, plenos de sentimento e de poesia. Encantaram-me.

Um grande abraço,

André

Malu said...

Lindamente dolorido.
Que versos profundos.
Gostei muito!

Sotnas said...

Olá Cecília, desejo que tudo esteja muito bem contigo!
Belíssimo poema Cecília. Assim é o amor não verdadeiro, ou por inteiro, ele arrefece, provoca dor, e morre, tão subitamente quanto surgiu!
Parabéns pelo lindo poema. Agradeço pela companhia ao longo deste ano com seus sempre carinhosos e inteligentes comentários, e desejo pra você e todos ao redor iluminada existência sempre, grande abraço e até mais!