07 January 2011

POESIA


Nunca misturei amor com poesia;
seria o mesmo que depositar poeira crua
sobre a textura branca do pão.
A minha literatura não transpira
como o suor cheiroso dos corpos
sobre a cama,
mas mecanicamente origina
o que o espiírito entende
do que o mundo respira.

5 comments:

Lau Baptista said...

Linda poesia!
Parabéns!

Sotnas said...

Olá Cecília, desejo que tudo esteja bem contigo, sempre!
Não se preocupe com o modo como brota sua literatura, ou sua poesia, importa sim é que você é o suficiente sensível para criar tão belos poemas que nos proporciona se deleitar sob a sombra de seu pé de pitanga, parabéns pelos belos poemas aqui postados!
Agradeço pelo seu carinho de sempre em suas visitas e comentários, já pegou seu selo do aniversário do sotblog, está lá um ano e você ajudou a chegar até aqui, pode pegar o seu! Vamos lá, me faça somente mais um enorme tantinho feliz! Desejo pra você e todos ao redor iluminada felicidade sempre, grande abraço e até mais!

thomaz said...

Essa poesia é muito bonita....
Meus parabéns e um Feliz Ano Novo....
Eu tambem tenho um Bog Quase Tudo http://jrthomaz.blogspot.com/ ja to seguindo o seu desde ja muito obrigado...

Fulvio Ribeiro said...

Cecília...olá...
venho lhe convidar para, comemorar comigo durante esse mês o aniversário de 2 anos do Blog "Reflexões"...
Sua presença para mim será motivo honra, e alegria....!!!
Te aguardo por lá...
Grande Abraço...

André said...

É uma opção, no meu humilde entender, mais estética que inspiracional. Mas é tua e é um direito teu. Todavia há quem misture os dois e não morra da ressaca.... depois.

Belo texto, Cecília, o dístico final é de antologia. Sinceramente.

Grande abraço, meu carinho.
André