29 January 2011

TRISTE

Hoje, manhã ensolarada,
os pepinos pepineiam
as libélulas libeluleiam
as águas aguam,
tudo isto enfurecido
de paixão arrastada que é a vida.
Mas não a minha poesia,
que sem qualquer consentimento,
calou-se.

2 comments:

Sotnas said...

Olá Cecília, desejo que tudo esteja bem contigo, sempre!
Findai tuas preocupações poetisa!
Pois não sendo um querer, a poesia não necessita de consentimento,
Portanto não cala.
Posto que a poesia seja uma maneira de ser, e viver, e
Como toda maneira de ser é sábia e vai ecoar aos quatro ventos,
Novamente, a todos que queiram ouvir, teus versos de alento,
Amor e tudo que toca o coração!
Como vê a poesia não cala, somente sabe a hora em que ouvirão seu propagar!
Sempre com belos poemas, me sento à sombra de teu Pé de Pitanga a refestelar-me e ainda tentar pretensos versos!
Agradável estar aqui! Desejo a você e todos ao redor iluminada existência, obrigado pelo carinho de suas visitas e comentários, grande abraço e até mais!

André said...

Bom dia, Cecília!

mesmo calada, a tua poesia continua eloqüente. Pelo menos para mim. Gostei das "averbações", muito originais sim. Mesmo que, para uns, os dias se transcorram mudos, tuas palavras "cecileiam" e isso é maravilhoso.

Saudades de te ler, poetisa. Um grande abraço,

André