21 March 2012

CANÇÃO DE FAZER LEMBRAR



Era uma vez... um menino bonito...
(as notáveis histórias
sempre começam com "era uma vez"?)
E esse menino bonito tinha ficado encantado na minha memória
(encantado é quando
uma imagem congela-se ,
assim, para sempre,
e portanto, perpétua).
Tinha os cabelos anelados,
de uma cor cáqui
e sua alma  parecia uma nuvem
de tão purificada....
Passaram-se tantos dias e tantas noites,
os sonhos passaram, os pesadelos passaram,
as ruas ficaram mais largas,
os rios vomitaram peixes de tanta sujeira,
as nossas crianças nasceram, cresceram,
e o menino ali ficou, guardado,
caladinho e eterno
sentado à mesa da minha memória.
Um dia, assim sem mais nem menos,
o menino ressurgiu bem à minha frente
(trajava uma bermuda cáqui e uma camiseta branca,
tinha a barba e os cabelos brancos,
que eu tolamente pensava que fossem cáqui).
Tantos dias e tantas noites passando,
tantos sonhos passando, tantos pesadelos,
as ruas ficaram estreitas para tanto frisson,
que até os peixes elevaram-se da água
por causa desta graça.
O  menino bonito levantou-se, de repente da cadeira
à mesa da minha memória,
circunspecto, com sua barba branca,
e seus cabelos brancos,
e serviu-me o mais magnífico manjar,
o mais virtuoso prato,
a mais fiel de todas as comemorações;
que vem a ser, a sua alegre presença de agora...
Salve, meu Deus,  aquilo se preserva,
e salve tudo o que a memória guarda!

1 comment:

Zazá Lee said...

É...o menino bonito te salvou.