07 August 2006

ALÇAPÃO


O poeta e a poesia
São o pardal e o alçapão armado no quintal da minha infância
Eu, passarinho,
Atraída pela carcaça da palavra
Deixei-me alçapar,
Às sílabas consoantes de todos os verbos
Poesia-alçapão, que me puxa, que me puxa,
À gaiola intrigante das memórias,
A atrair em mim o visgo de todas as conjugações
Que só dão numa coisa;
Os versos presos de regularidade
Na irregular singularidade do meu tempo.

1 comment:

André Carlucci said...

ficou lindo!
Agora vc tem que colocar o endereço do seu blog no profile do seu orkut...
Tem q divulgar!
Bjao