23 August 2006

XÍCARA DE CHÁ


Quando meu amor me deixa, e diz que volta já
Todos os oceanos, as águas do desejo,
Ele leva embora,não se importando agora
Se há secura ou desespero na razão
Me deixa pouco, tão pouco ele me deixa
As águas renascidas da saudade
Que um mar inteiro ,
Cabe solitário numa xícara de chá.

2 comments:

Fernando Serapião said...

querida prima
muito legal seu blog,
parabens e continue com seus escritos.
em especial, foi muito bom ler este da casa da vovó.
pra ser sincero fui lendo ansioso pra ver se falaria um pouco de nós, rss.
no dia que escrever um pouco sobre nossa infância em comum, não se esqueça de me contar.
um grande bj pra vcs todos e saibam que continuo amando vocês.

Anonymous said...

Por que nao:)