02 January 2007

TODO DIA


Se eu não tivesse a página em branco
Todo dia
Seu eu não tivesse a palavra minha
Todo dia
Se eu não tivesse a alegria de me ver sozinha
Todo dia
Se eu não tivesse a ampulheta que me desentorta
Todo dia
Se eu não me tivesse inteira, como tenho
Todo dia
Se eu não me amasse tanto, como amo a mim mesma
Todo dia
Se eu não desejasse pensar na linha reta
Todo dia
Se eu não acordasse mansa
Todo dia
Se eu não me deitasse plena
Todo dia
Se eu não amarrasse o santo
Todo dia
E não liberasse o demônio
Todo dia;

Eu seria
Absolutamente igual
Ao que fui um dia
Se eu não me derramasse todo dia
Sobre a página branca que me espera
Eu seria normal
Como qualquer cristão,
Que vejo e que conheço
Todo dia,
Deus me livre!

2 comments:

Zazá said...

Querida... Acordei e imediatamente li o Primeiro Poema do Ano.
Lindo e aberto para qualquer um. Infeliz daquele que não sabe usar as palvras ou procurá-las no outro, para se inspirar e para abrir os olhos para a trave que existe dentro de cada um.

Zazá said...

Desculpe o erro de digitação. Para um poeta é preciso ter cuidado com aquilo que se escreve...