23 April 2007

FELICIDADE É SORTE


Fiquei escutando uma conversa sobre o que é ter felicidade. Falaram e falaram; ouvi gente falar de dinheiro e da falta de dinheiro que para alguns, também é felicidade. Outros falaram em conhecer lugares, a maioria concordou que tudo é um estado de espírito.
Mas que estado de espírito? De que espírito falam e falam?
Não falei nada, nem posso; a minha felicidade é única e incompreensível para os outros; só faz sentido aqui dentro de mim mesma, que é acordar sem pressa, cantarolar baixinho uma música de Tony Bennet que ando ouvindo sem parar; à hora do banho imaginar que nasci na água e na água vou me acabar, passar meu batom cereja que toda manhã amadurece em flor, me perfumar com absinto e o aroma da cerveja de anteontem que permaneceu em mim, e ir para a rua; olhos de rua e ventre em outro lugar, já imaginando que vou me arrastar de amor até que meus dias me morram.
Amanhã minha felicidade estará mais exaltada, porque às terças feiras, além de ter feira ao ar livre bem aqui na minha rua e o burburinho da multidão gritar cenoura e bater feijão, terei uma manhã de caprichar do alto dos cabelos até a planta dos pés. Amanhã vou acordar mais cedo, vou tomar leite de cabra, depois deitar de novo, apertar bem minhas pernas contra o travesseiro, chamar os bem te vis só para me verem de perto, saber que haverá mais uma tarde de chá e sorte.
É isso, felicidade é sorte.

1 comment:

Zazá said...

Ceci,


Que lindo !
vc está mais suave aqui.