23 July 2007

ESCONDIDA

Ser poeta tem me poupado de muitas coisas dolorosas
E de algum constrangimento
Hoje foi dia de querer matar alguém
Porque me pisaram no sapato
Escrevi um verso que falava de um morrer
Que era um morrer fictício
E matei o sujeito bem matado
Dentro da poesia
Nunca me surpreenderão cometendo um delito
Mas ao ler meus versos
Prendam-me ou me batam
Minha felicidade é esta
Não me entendem quando me lêem
- Posso matar e morrer à vontade -

1 comment:

Zazá Lee said...

AhAhAhA!

Muito interessante seu poema.
As pessoas de maneira geral, teriam que achar esta válvula de escape.
A arte de maneira geral, faz isto, vc sabe.