05 July 2007

CALE-ME


Não falo de mais nada
Hoje fechei a tranca dos meus lábios
Foi-me permitido falar,
E quando falei,
Partiram-se as palavras
Que fiquei muda de instântaneo
E fiquei pálida
Os outros não me compreendem
Eu mesma nunca me compreendi
Embora tentasse
Mas disto ou daquilo que falo
Desisto
Não desejo mais do que soprar
Um ar quente que sai de dentro de mim
Uivando, como nos desertos do faroeste
Só levantando poeira
Pra depois baixar,
E por sobre o mesmo pó,
Inócuo,
Tirado do lugar

1 comment:

ZAZÁ LEE said...

Curiosamente hoje você falou comigo sobre DEUS.
E olha que não falou pouco!