01 July 2007

POEMA DA ACEITAÇÃO


Faço arte das minhas palavras
Gosto de falar devagar e gosto de falar enrolado
Porque minha língua, muitas vezes fala por mim
Quando eu quero que sim,
E quando eu quero que não;
Mas sou uma mulher simples
E entenda o que é simplicidade
Como eu entendi um dia
Se amo, amo
Se sinto prazer, desmaio
E digo que desmaio
Se há alegria, me alegro
E o meu rosto brilha e ri junto com o ar risonho
E se há tristeza
Me afundo no profundo da tristeza
No resto sou normal
Acordo e abro meus olhos à força de motor
De manhã sou meiga, à tarde mostro meus dentes
Quando é noite quero que alguém me ame
A vida vai passando feito rolo compressor
E eu vou anotando no calendário a minha felicidade
Que é pouca, mas é sábia
Sabe que tudo têm um fim,
Sabe que os começos são mais atraentes que o meio
Pouco sei de mim, mas o que sei
É que me sei pouco
E que me aceito.



1 comment:

ZAZÁ LEE said...

Ceci...
Muito lindo.
estou demorando para encontrar o que mais gosto para postar no Blog.
Quem manda ser boa!?