19 October 2007

AS BROMÉLIAS DE ZAZÁ


Zazá falou-me um dia das bromélias,
Mas as bromélias de Zazá
Recusaram-se a florescer
No chão de minha casa
As coisas também têm vontades,
Se as queremos dominar
Primeiro eu quis dominar o mundo
Este me dobrou
Depois eu quis modificar o tempo das coisas
O tempo me modificou
A ponto de me deixar escarnecida
Com o que fui
Finalmente,
Quero dominar as poucas coisas que faço
E que estão ao alcance de minha mão
Minha mão estacionou o carro da passagem
Domino-me, a mim mesma
Mas não me domino em nada
Quero ser e já desejo estar
Farto-me das bromélias do vizinho
Desvirtuo a rosa
E me encontro da forma mais sublime
E ágil da existência
O que eu sou, eu não domino
O que serei, me dominará.

Essa é uma das músicas mais bonitas que conheço, letra e música, que me enternece, que me toca, e frequentemente, quando a ouço, me faz chorar.

1 comment:

ZAZÁ LEE said...

Querida Cecília ( Não?)

Lindo post.
Que bom chorar quando se ouve uma música ou se lê um poema...
Eu adorei as minhas bromélias.
Mesmo porque elas são pessoas e não plantas!