17 November 2007

EU, ARARINHA, EU


Amo as ararinhas verdes
Não porque sejam somente ararinhas,
ou porque possuem um verde
Que eu nunca repoduzirei igual
Nem porque voam, rápido, enquanto estou
na velocidade do pensamento,
Amontoadas por sobre as árvores altas,
fazendo uma arruaça anormal, infantilóide, ruidosa,
arruaça de quem não tem o que fazer,
Alegre e esticada.

Nem amo as ararinhas porque são pequenas, frágeis
Ou porque carregam em si uma vida acidental,
Sem eira nem beira,
sem os propósitos master de uma crise;

Amo as ararinhas,
Porque tenho uma única e vasta razão para amá-las,
E para guardá-las dentro de mim,
Amo-as porque lhe chamaram de "ararinhas"
Um nome que é o puro ar
Do ar mais puro que preciso
Da minha contemplação do que virá
Eu, ararinha, eu...



1 comment:

Rivaldo R.Ribeiro said...

Olá Cecilia, foi com você que conversei no hotmail?
Legal seu blog vou linkar num dos meus blogs, deve ser no http://sintonia777.zip.net , pois esse é destinado a poesia, textos, literatura, e você escreve muito bem. posso publicar um de seus textos, me responda autorizando pelo email rvld7@itelefonica.com.br

Boa Sorte.

Rivaldo.