09 December 2007

PROMESSA DA UVA


Quando eu lhe amar de novo
Faça com que a ira que me tomou conta
Se dissipe
Façamos assim,
Ama-me como se eu fosse a última
E eu lhe amarei como se eu fosse a primeira
Das últimas parreiras que já tive
Eram esguias e ressecadas, as parreiras
Esparramadas por sobre o caramanchão
Nunca vi-lhe um único cacho de uva
Mas a promessa da uva,
Ah, a promessa da uva..
Quando eu lhe amar de novo,
Quero da sua promessa, a uva que não houve.







3 comments:

Vera said...

Meus parabéns!!!!!!!
Grande sensibilidade, grandes inspirações!!!!
Lá vem o primeiro milhão de dolares...depois o resto é bico...rsrrsrsrs
bjo
Vera

P.S. Fiz uma postagem sobre o livro

Andresa said...

Querida Ceci...

Sempre haverão promessas

lindas suas palavras parabéns!!!

mil bjos
Andresa Cesár e Dra Célia

PÉ DE PITANGA said...

Queridos amigos Andresa, César e Célia, como é bom saber que alguém nos lê!
Beijos e obrigada por tudo.