26 December 2007

QUANDO ME VISITAS



Quando me visitas por aqui,
Sinto um tremor em febre,
Sou mulher-pássaro,
também tenho medo de aproximação.

Quando te vais,
Sinto um tremor em febre
Sou mulher fora do cangaço,
também não me acostumei às lonjuras das perdas.

Quando nem te vais e nem me permaneces,
ficas suspenso na ponte imperceptível dos calores,
sinto tremor e tenho febre;
sou mulher-cavalo
também esperaria disparar a solto trote.

Quando me visitas por aqui
E sinto tua presença,
Estremeço de febre
Quando não há remédio
Sou mulher em todos os atos,
Mulher por fora
E também mulher,
Quando me visitas por dentro.

3 comments:

Marcelo Novaes said...

Olá, Cecília.

Estive por aqui e tiveste febre,
mulher-pássaro que
és,
mulher-cavalo, mulher-de-fora-do
-cangaço.

Parabéns!

Te visitarei mais vezes,
até que se aquiete
o tremor da visitação...,
e ainda depois...


Beijo,

Marcelo Novaes

ZAZÁ LEE said...

Que lindo e poético comentário Marcelo Novaes.
ADOREI!

Anonymous said...

Ich entschuldige mich, aber meiner Meinung nach irren Sie sich. Schreiben Sie mir in PM, wir werden umgehen. levitra online cialis generika aus deutschland [url=http//t7-isis.org]viagra rezeptfrei[/url]