19 March 2008

POEMA DA INSATISFAÇÃO


Eu estava à janela
Quando a matilha de cães passou
Nenhum ruído
Parecia que desfilavam
na procissão lúgubre dos santos afogados
Era um silêncio de grossas patas
Mortifiquei-me
Se nem eu,
na minha solidão de ar e pensamento
consigo me arrumar em tal dignidade.
Se eu fosse o latido do cão
Um vulto que desfila à volta da minha imagem...
Mas sou esse punhado de insatisfação
Esse montinho de peso
Esse grito desvigorado de tão covarde
Sou o processo, e não o fato.


3 comments:

Kazilar said...

See here or here

Andresa said...

Querida Ceci,

Esses momentos(de insatisfação) fazem parte da vida.
São eles que nos tornam melhores e nos levam do processo ao fato.
Boa Pascoa.

bjinhos satisfeitos por sentir que vc está tentando

PÉ DE PITANGA said...

Muito agradecida, Andresa...
Voce esta sempre por perto... acho isso tão bom!