17 September 2008

POEMA DOS AMIGOS




Pedi-te um amigo e deste-me uma legião de seres
que nunca sabiam o bem que me fôra feito
Se eu sorria, sorriam-me,
e se eu chorasse, choravam-me duplamente
Uma existência como a minha
que fôra feita do sal da praia
bem que merecia ternuras ocasionais
Pois que me dissestes que eu não teria amigos formais
porquanto me destes o sentimento de pertencer ao mundo
Se cá estou, regozijo-me na comunhão
quando eu não estava, escurecia-me a visão
por me saber desprendida
Vejo-me no outro e no vizinho de porta
E se me destes o afeto
por ele enredo o fio da meada
Meus amigos são gente como tu
Muitas vezes não os vejo, mas aqui estão.


2 comments:

ZAZÁ LEE said...

Lindo!

No momento oportuno vai pro espelho sem aço!

ANDRESA said...

Querida Ceci,

Faz tempo que não venho aqui.Nem você aqui.
Mas sempre que volto a alegria e encanto são os mesmos com suas palavras que traduzem sentires tao simples e repletos de tudo.
Bjs meus
APAREÇA
SUA FÃ ANDRESA