15 May 2010

POEMA PARA AS MULHERES SÓS


Somos mulheres sós
e sós estamos, aos milhares.
Já deixamos as nossas queixas diárias de mártires
e não mais contamos as horas
para fazer o dia render mais.
Nossos filhos agora estão preparando outros filhos
e nossas mãos vazias de ar estão.
Somos mais pobres agora
porque somos mais cheias da inutilidade.
Queremos o frenesi
e tecemos mantas de lã.
Que proveito temos?
O sol nasce para nós
mas não nos aquece como antes.
Ainda pelo sol, nasce o sol
e ainda assim, suspiramos.

1 comment:

AZÁLIA BRUZADIN said...

Querida poeta

Será assim se o quisermos assim.
bj