02 July 2010

POEMA DO AMOR DE SAL


Você deixou de me amar,
eu desconfio

naquele dia em que
os números do supermercado

insandecidos, deram rasante

por cima das prateleiras de sal.

O que era o bom tempero,
virou um feio inócuo.

Por que se deixa de amar alguma coisa,
e em que momento
o laço de prata se desfinca?

As duas pontas soltas de metal
sofrem de distância,

e o sal, esse sorri.

1 comment:

AZÁLIA BRUZADIN said...

Onde comprar seu livro ?
O site não funciona.....