12 July 2010

POEMA DO NOVO



Acontecem coisas lúdicas,
sim, acontecem,
e há sobrenaturalidades,
neste mundo.
Quando acordei,
pela manhã,
havia um rastro de lagarta
que passara pela madrugada
por sobre a cama, como cabeceira.
Durante meu sono duro,
não pude perceber a singeleza
passando lentamente
enquanto eu imergia nas imagens.
Mas a passagem dela,
lustrosa e sinuosa,
me deu hoje uma nova identidade.

3 comments:

Mara Senna said...

Esse é o olhar do poeta que vê singeleza e beleza nestes pequenos detalhes que, a outros, passariam desapercebidos. Parabéns! Mais um dos lindos poemas com que você nos presenteia neste blog. Um abraço.

PÉ DE PITANGA said...

Mara, querida,
Uma poeta falando da minha poesia! Quanta honra! Agradeço a sua visita!
Beijos

zazá lee said...

Eu comento bem?