25 November 2006

SAUDADE

Poema para o André, que não veio e não me ligou hoje. A gente sente saudade, André, e nem galo eu tenho aqui pra me sossegar, sabia?




Saudade é uma coisa esquisita
Alguém que não sai de nós
Vai embora, diz que volta
Mas fica dentro da gente
Feito o galo quando canta
Plantado em cima do muro,
Que chama o dia,
Que fecha a noite,
Sem propósito e sem descanso
Feito a saudade que tenho
De manhã é vigorosa
Á noite, é preguiçosa
Mas não sai do meu sossego
É a minha saudade cantando.

2 comments:

André Carlucci said...

OO mãe, que beleza
adorei seupoema
brigadao
bjao

Maria Cecilia Figueiredo said...

E eu adorei que vc ligou.
Beijos