23 April 2007

POEMA DO AFETO VERDADEIRO


Se eu tivesse um afeto verdadeiro agora
Primeiro, cortaria-lhe bem rente, as unhas dos pés
Que é pra ele nunca me machucar na hora do amor
Ou na hora da displicência do amor
Depois não faria mais nada;
Ficava olhando esse afeto ir e vir
Passar e tropeçar.
Afeto verdadeiro a gente não segura
Nem lhe interrompe a caminhada
Passa, a gente suspira
Volta, a gente agoniza
E o amor fica assim,
Verdadeiro,

No sobressalto do hiato

1 comment:

Zazá said...

CECI

Tá ficando mais romântica?