27 May 2007

POEMA DO ACORDAR


Quem me dera acordar sempre como acordei agora
Não teve sol, mas quem busca o sol?
Nem teve o calor artístico de sempre que abafa a vida
Mas quem deveria buscar o calor que abrasa e tira-me o ar?
O que tive
E o que doravante perseguirei
É a voz da poesia me chamando de santa
E exorcizando-me de monstros
Uma poesia que se julga suave
E que me envereda por esse caminho que eu acabei de criar
Um meio sorriso, uma leseira esticada
E uma única e incisiva certeza
Acordei, não obstante o sol e calor,
Quero-me grata hoje
Reverenciando o tudo
Porque se existe o tudo
Esse já foi plantado em mim
E agora que acordo, eu colho.

1 comment:

Zazá said...

Ceci...
Aconteceu um momento de despertar para o novo,vc está mais macia e se abrindo como uma lagarta?