26 May 2007

DESEJA-ME VIDA


Se tu me amas verdadeiramente, deseja-me vida
Se me queres bem, como o trigo quer bem o sol
E as cotovias desejam o benefício
De um pouso seguro após um vôo tenso e distante
Deseja-me que eu tenha um ânimo
Férreo, como os que têm os camponeses
O vigor que ostentam
E finalmente as palavras
Que saem da boca dos santos de armário
Ah, essas palavras
Ditas sussurradas e meio caladas
Que tingem meu céu da boca de um azul
Tão natural como o diáfano
E que põem-me o gosto dulcicado do passado
Deseja-me então que eu sonhe
Que eu me descubra ainda possuidora de delírios
E de artigos de luxo, como prospectos de planos.
Portanto, se tu me amas
Deseja-me que eu sonhe em vida,
Mas mesmo que sonhando,
Aquele abstrato pedaço de magia
Que eu me ache em sonho,
Mas que eu viva.

1 comment:

Zazá said...

CECI,

Que lindo poema.
Adorei...
Se tu me amas...se todos verbalizassem algo asim, todos os dias, acordariam para a realidade que as palavras impõem!