09 June 2007

JASMINEIRO


Jasmineiro, que perfuma
A casa onde eu estou,
Leva prá ele um recado
Diz que ele é meu amor
Se eu tivesse um centavo
Que eu pudesse jogar fora
Jogava por cima do muro
Onde exista uma amora
O amor é a flor de Maio
Que eu plantei com o jasmineiro
Dá flor de Maio em Outubro
E só jasmim em Setembro
Se eu fosse uma mulher louca
Colocava um anel no dedo
Fazia que eu era mansa
Só prá eu amar por inteiro
Mas não esqueço o jasmineiro
Que perfuma minha sala
Ele, sim, traz o meu cheiro
Escondido na minha saia
O amor que eu tanto busco
Não existe do meu lado
Se existisse, eu faria
Que ele não fosse inventado
Então eu pego o meu cheiro
Que tirei do jasmineiro
E perfumo meu cabelo
Enquanto essa vida passa
Jasmineiro, jasmineiro,
Traz de volta o meu afeto
Amor perdido de volta
É a flor do jasmineiro
Ou onde exista um grande amor,
Em Setembro, Maio ou Janeiro.

1 comment:

Zazá Lee said...

Minha casa está repleta de jasmim.
Por todo canto, à noite por onde se passa sente-se o cheiro ou o perfume da flor.

Agradou-me o poema.