02 July 2007

POEMA DO ADORMECER


São em dias como esse
Em que o sol cumpriu sua obrigação sem reclamar
Que a noite baixou sem nenhum traço de rebeldia
Ou de cansaço
Ou de mesmice
Que eu reflito sobre o que vivi
A mesmice que me acabará
O cansaço que me atou os pés
A obrigação de ser
Não mais a poeta que empilhas as letras
Mas a que indica o caminho
A que sinaliza o caminho
Que pavimenta e anima esse caminho
Por onde outros haverão de passar.

2 comments:

ZAZÁ LEE said...

Ceci,

Não permita que o momento seja sua cruz.
Tudo passará.
Vc não deixou de ser poeta, nem mesmo abandonou para sempre seus sonhos.
A vida lhe pediu uma pausa... apenas isso.
talvez vc tenha que aprender algo. Quem de nós humanos haverá de saber?
Alegre-se...tudo passará.

PÉ DE PITANGA said...

Obrigada por tão sábias palavras. Mas será que além de passar, o tempo também não podia lavar, engomar, limpar???