14 November 2007

QUE ALTURA?


Que altura me darias?
Dê-me a altura do broto da grama que cresce
Furtivo e ascendente, mas breve
Dê-me a altura verdadeira,
Pois que sou tão pobre de alma
E tão pobre de afeto...




1 comment:

amilton said...

Olá Cilinha!
Hoje dei um jeitinho em minha correria de vida (incrível um velho aposentado falar assim, não? Mas é a pura verdade - certamente reflexo desta vida moderna! E fico então imaginando a situação dos pobres mortais que têm compromisso de trabalho, como você, por exempo!) e voltei ao meu pé de pitanga favorito! E como estava repleto de frutas saborosas, vermelhas como essa frutinha importada que anda por aí, como se chama mesmo? Ah a tal de acerola!
Mas, coitadinha só tem beleza (e vitamina C, mas está quilômetros longe das pitangas de minha poeta favorita, que nem sempre consigo chegar ao âmago de seu coração. Mas isto é outra história. Só queria lhe mandar um saudo beijo e a esperança de que em breve a gente se encontre. Seria tão bom se fosse agora neste sábado do Encontro da Familia, mas sei que é tão fora de mão... Logo a gente se verá, se Deus quiser.
Beijos do tio e padrinho que muito a admira.