31 December 2007

POEMA PARA O ANO NOVO


Desejo-lhe hoje o que lhe faz bem
A chuva que caiu hoje,
(estava tão quente) lhe faz bem?
Chocolate derretido sobre o pêssego tenro,
As nuvens esgarçadas como polvilho branco salpicando o céu,
O luar espetáculo que bateu na ponta da piscina clorada
A música indolente que tocava baixinho, entre as samambaias,
O quadro de Di que você já viu um dia,
iluminado, magnífico, pela lâmpada dicróica
que traz grande mistério misturado às cores da beleza,
Os goles de vinho seco e tinto, na varanda, de madrugada
Junto com a lembrança do coaxar dos sapos quando ainda havia sapos,
As frases mágicas que lhe disseram uma noite, ao ouvido
A sua sensação que ficou estática nesta hora ao perceber
que para alguém voce fôra um deus, mesmo que de mentirinha
mesmo que por alguns segundos...
Os arrepios de emoção ao beijar um amor pela primeira vez
pela enézima vez,
pela última vez,
e nesta última vez, compreender
o que fôra o amor que não se prolongou.
Os grudes do cinema de antigamente,
o escuro que seduz,
a claridade eventual que puxa e atrai,
As vontades de nadar no mar,
O mar, inteiro,
E todas as constelações maiores e menores sobre a sua cabeça
feito coroação de rei ou incorporação do divino
Desejo-lhe um ano novo de descobrir as conchinhas do mar
Quando você estiver longe do mar
(o segredo é buscar o mar onde ele estivera
e quando não se pode buscar mais)
E desejo-lhe o meu amor
Meu amor lhe faz bem?
Só um amor singelo, um amor doador
um amor que não pede mais,
não sabe pedir mais,
mas que é um amor das quatro operações
divide, multiplica, soma e subtrai o velho
Um amor crédulo e dadivoso,
Que está longe,
mas que está pronto para que seja vivido e descoberto.


FELIZ 2008!



2 comments:

ZAZÁ LEE said...

Cecília...
Outra pérola que eu adorei.
Repito:
Gostaria de imprimir este poema na pele das pessoas!

GOSTARIA DE VER VOCÊ ESCREVENDO PARA UM MILHÃO DE PESSOAS LEREM!

Maria Rita said...

Um poema que me fez bem...