13 October 2010

AS ROUPAS NOVAS DO IMPERADOR


Andersen escreveu este conto há muito tempo, traduzido em muitas línguas e espalhado para todas as partes do mundo. Trata-se de um imperador muito vaidoso, convencido por dois falsos  tecelões de má fé a usar roupas que seriam  invisíveis somente para as pessoas incompetentes ou mal preparadas para suas funções. Para este trabalho, o imperador prometera aos malandros uma alta soma de dinheiro e ainda algumas jóias do reino para que eles confeccionassem  roupas imperiais com  os mais finos tecidos do Oriente, nunca antes vestidos por um imperador!  Extremamente detalhista, ele ordenou que dois vigias fossem lhe reportando o progresso da confeção de suas roupas a medida que o tempo passava. Os vigias vinham com todos os tipos de detalhes: "Estão ficando maravilhosas, senhor! Tem brocados e finos tecidos azuis!"O rei se satisfazia, felicíssimo... Até o dia que as roupas ficaram prontas. No momento de vesti-las, houve um punhado de gente para testemunhar as mais finas roupas que um imperador havia usado em todo reino e em todos os tempos!  Sendo assim,  os tecelões vigaristas iam fazendo de conta de que estavam vestindo roupas delicadas no corpo do imperador, até que finalmente anunciaram que o lindo  traje já estava composto em seu corpo. O rei  encontrava-se completamente desnudo, no entanto,  todos  ali presentes se entreolharam, fizeram um coro uníssono em "Ohhhhhhhh, que lindo!"  mas ninguém,   de seu séquito teve  coragem de denunciar o fato.  Para celebrar este grande momento, uma gloriosa passeata pela cidade  foi organizada  a fim de que que a plebe também tivesse  oportunidade de ver um imperador assim tão bem vestido.  Nem bem o imperador ganhou as ruas montado em seu cavalo branco, uma pequena multidão se acotovelava para ver melhor aquele que seria a figura mais importante do reino. Eis que da primeira fila, um garotinho leva as duas mãos sobre a boca e exclama: "Oh! O imperador está nú! " e sendo assim, toda farsa foi ao vento, revelada.
Em inglês,  usa-se essa expressão "As roupas novas do imperador" (the emperor's new clothes)  quando se  quer dizer que uma grande maioria, mesmo discordando de uma situação, apoia coletivamente um fato, apenas para não parecer ignorante ou  por não ter coragem de sustentar um argumento contrário.
Por que escrevi essa crônica hoje? Bem, as eleições para o 2o. turno estão chegando e ando meio cansada de tanto e-mail  lotando a minha caixa de entrada,  me pedindo para rever a vida da Dilminha Paz e Amor ou a integridade biográfica do Sr. Serra... Os fatos estão aí, consigo vê-los sem que me ajudem, portanto, deixe-me votar sozinha e tranquila dentro da minha santa consciência;  forçar a barra agora nos últimos instantes me fazendo ver isto ou aquilo que para mim não existe, certamente, é usar as roupas novas do imperador.
E tenho dito.

2 comments:

Sotnas said...

Olá Cecília, tudo bem com você, eu desejo sinceramente que sim!
Concordo inteiramente com você, as pessoas falam demais da conta, somente não disseram uma coisa sobre este governo que aí está. De que não é necessário todos ficarem dizendo isso ou aquilo deste governo pra ninguém, está escancarado pra todos verem, somente não vê quem não quer. Além do que, que democracia é esta, se precisamos ser influenciados por outros em nosso direito e dever de escolha? Parabéns pelo texto. Tem tudo a ver com grande parte desta tão desacreditada nação. Tudo de bom pra você e todos ao redor, sempre com saúde, amor e paz, grande abraço e até mais!

zazá lee said...

Excelente a colocação do nosso amigo.
E eu?
Adorei!